Paróquia Bom Jesus

PALAVRINHA CARINHOSA DO PADRE CLAUDIO

Neste primeiro fim de semana de julho de 2020

 

 

Meus Queridos filhos e filhas espirituais da Paróquia Bom Jesus e leitores espalhados por este nosso Brasil. 

 

Minha gente iluminada, hoje, confesso, estou meio borocoxô, meio capenga das emoções. O nosso País contabiliza agora em 2020 um total superior a 290 Milhões de brasileiros. O Ministério da Saúde contabiliza hoje 65 mil óbitos. Nos EUA há 334 Milhões de Americanos e 130 mil óbitos. 

 

Eu procuro compreender o porquê da China Continental contabilizar UM BILHÃO E QUATROCENTOS MILHÕES de chineses e somente QUATRO MIL, SEISCENTOS E TRINTA E QUATRO óbitos. E a Índia, por todas as vacas sagradas (!) contabiliza UM BILHÃO E TREZENTOS MILHÕES de habitantes e apenas QUINZE MIL, SEISCENTOS E OITENTA E CINCO óbitos. 

 

O Planeta Terra contabiliza mais de QUATROCENTAS MIL MORTES POR COVID-19. 

 

Rezo incessantemente pela descoberta de uma Vacina que possa destruir drasticamente o indecente do Coronavírus. Sem Vacina, nosso Mundo vai ser obrigado a acostumar-se a uma rotina de máscaras, de permanente higienização das mãos, de menos beijos e abraços, de um distanciamento físico obrigatório, Hospitais de Campanha, políticos adquirindo produtos hospitalares com superfaturamento, trabalho e educação a distância, salas de aulas vazias. 

 

Eu só te peço que una-se a este pobre padre caipira nas preces em favor da descoberta medicinal de uma Vacina. 

 

Lembre-se: Um remédio salva vidas, uma vacina salva populações! Quem leu a minha Palavrinha Carinhosa da última semana de junho sabe bem que venho de um tempo de luto. 

 

Sabe, Gente, eu fiquei muito sentido com a morte dele. Escrever que fiquei triste não diz muito, porque é preciso distinguir entre os vários tipos de tristeza, que Não são iguais. E logo me pus a fazer cobranças emocionais: Por que é que eu não fico triste deste jeito pelos inocentes que os criminosos matam, pelos enfermos que agonizam torturados pela dor, pelos suicidas solitários? A minha tristeza me forçou a perguntar-me acerca dessa surpreendente geografia da sensibilidade da minha alma de padre, que me parecia em conflito com a geografia das minhas sensibilidades morais. O que estava errado não era a minha tristeza por ele, mas minha pouca tristeza pelos outros que morrem. 

 

Lembrei-me de uma frase do português Bernardo Soares: “Há idas de poente que me doem mais que a morte de crianças”. Eu celebrei as Exéquias do Srº Apolinario, lacrei aquele caixão mortuário e acompanhei o féretro até a sepultura! Palavra esquisita: Féretro. Imediatamente me posicionei no volante do meu carrinho que nem meu é e percorri os 600 km de volta. Cheguei em São Paulo a noitinha. No dia anterior pude assistir belo alvorecer e voltando para São Paulo testemunhei magnífico anoitecer com um pôr do sol que me pareceu exclusivo só para mim, como se Deus me proporcionasse um presente. A estrada nos faz pensar pensamentos diferentes! Srº Apolinario foi um homem extraordinário. Há os sábios, os santos, os heróis, os místicos, mas há também os canalhas, os corruptos, os assassinos, os insanos nas emoções, mas no crepúsculo da Vida tomamos consciência da passagem do tempo. O tempo escorre pelo meio dos nossos dedos da mão cada vez mais rápido. TEMPUS FUGIT. Isto nos faz conscientes do encanto de cada momento na nossa Vida. Cada momento é um fruto maduro que temos de comer no agora porque no depois estará podre. 

 

Eu vivi uma infância entre cajueiros, figueiras, mangueiras, jabuticabeiras, mamoeiros, abacateiros, mangueiras, castanheiras, goiabeiras e coqueiros. 

 

Delícia apanhar a goiaba vermelha ou o figo na árvore!!!! CARPE DIEM! Assim vim por aquela Rodovia do Paraná para São Paulo pensando nos frutos que ainda quero colher no pé! 

 

Sabe de uma coisa? 

 

Sejamos simples e calmos! 

 

Nestes tempos de Pandemia assassina qual o impacto deste vírus letal nas nossas relações afetivas? Garantias de um

Final Feliz não há. 

 

Na simplicidade e na calmaria eu te respondo, plagiando um pouco o poeta: AME e deixe-se amar porque nada melhor para a saúde do que um amor correspondido! 

 

Sejamos calmos como os regatos de água cristalina que desce da Serra, e simples como as árvores, e Deus amar-nos-á fazendo de nós belos como as árvores e os regatos, e dar-nos-á a vitalidade da primavera, e um rio aonde ir ter quando acabemos!!!! 

 

Deus cuida de nós! 

 

É só o que posso escrever por hoje! 

 

Como disse, estou meio borocoxô, meio desassossegado. 

 

Acredite: Deus te cuida! Acreditar em Deus é, antes de mais nada e principalmente, querer que ELE exista! 

 

Palavra de Deus para hoje está no Livro de Josué Capítulo 1 Versículo 9

 

Com minhas Preces e Benção Sacerdotal 

 

Me despeço com minha última consideração: 

 

VIAJAR É FÁCIL. 

O DIFÍCIL É A GENTE DESEMBARCAR DA GENTE MESMO. 

 

Ame e deixe-se amar!!!

Padre Claudio Dias.